Consumo & Harmonizações

Consumo

  • É importante frisar que a influência da temperatura ao servir um vinho chega ao ponto de mudar completamente a percepção que temos da bebida. Por exemplo, os taninos ficam mais evidentes com temperaturas mais baixas, o que prejudica a apreciação, nomeadamente do vinho tinto, se ele estiver frio demais.

    Com os aromas ocorre exatamente o contrário, eles desaparecem quando o vinho está demasiado frio e com o calor sobressai sobretudo o álcool. Contudo, hoje em dia, pode frequentemente obter alguma informação no chamado contra rótulo da garrafa.

  • BRANCOS

    – Brancos leves e Espumantes ligeiros: 7°C

    – Espumantes e Champagne: 8ºC

    – Brancos com madeira, envelhecidos e grandes Champagnes: 10°C

    – Brancos fortificados, secos ou doces: 12°C

    –Colheita Tardia / Late Harvest, jovens e ligeiros: 10°C

    ROSÉS 

    – 10°C

    TINTOS

    – Tintos leves, sem madeira e jovens: 14°C

    – Tintos jovens e encorpados: 15°C / 16°C

    – Tintos encorpados e/ou envelhecidos: 17°C / 18°C

    GENEROSOS

    – Porto e fortificados em geral, tintos: 14°C

    – Porto Vintage: 16°C

    – Late Harvest, jovens e ligeiros: 10°C

Harmonizações

  • untitled

    Escolha um vinho branco fresco e de alta acidez se o prato for muito ácido (talvez devido ao molho na salada, vinagre, um molho com limão, alcaparras ou tomate). Um estilo de vinho mais suave irá ter um sabor menos intenso com comida condimentada. Os vinhos brancos do norte de Portugal são provavelmente mais compatíveis. Vinhos das regiões Vinho Verde, Dão, Bairrada, Beira Interior, Lafões, Terras da Beira, Beira Atlântico, Terras de Cister, Terras do Dão, Minho, ou então, os provenientes da região fresca e ventosa de Vinhos de Lisboa: Bucelas ou Óbidos. Os espumantes também têm uma elevada acidez, sendo muito compatíveis para este tipo de comida. Existem muitas opções à escolha: Óbidos, Bairrada, Távora-Varosa, Douro, Dão e Beira Interior.

  • 2

    Os vinhos brancos secos e aromáticos são um bom acompanhante para marisco e comida asiática ligeiramente condimentada, especialmente indiana ou tailandesa, desde que não sejam pratos agridoces. Os vinhos aromáticos podem ser uma boa escolha quando num prato se utilizam ingredientes como gengibre, erva-príncipe, raspa de citrino, cebolas e pimentões doces. Procure vinhos com a casta aromática Fernão Pires; esta prevalece na área Vinho Regional Lisboa, também designada por Maria Gomes (Bairrada). Outras opções aromáticas podem recair no Alvarinho e Loureiro (Vinho Verde) e Moscatel, que por vezes são secos (Península de Setúbal).

  • 3

    É verdade que os vinhos brancos costumam ser a melhor opção para acompanhar peixe e marisco. Mas alguns molhos no peixe branco podem criar uma excelente compatibilidade com o vinho tinto; cozinhar o peixe em vinho tinto pode funcionar ainda melhor. O vinho tinto é o preferido dos portugueses para acompanhar bacalhau, e polvo ou lulas em molho de vinho tinto. Os vinhos tintos, especialmente da casta Baga/Bairrada, ficam surpreendentemente bons com atum fresco e o vinho verde tinto pode revelar-se uma combinação fantástica com sardinhas assadas. Mas os vinhos brancos portugueses são considerados a melhor opção para salmão e truta do mar. Como alternativa, pode-se experimentar um rosé seco para acompanhar espadarte.

  • 4

    Um prato salgado que inclua alguma doçura suave (talvez proveniente de legumes, fruta ou de um toque de mel) combinará melhor com um vinho que tenha também um toque de doçura ou um caráter frutado vibrante que dá para captar o nível de doçura. Experimente um Vinho Verde de marca (em vez de um vinho de topo seco) ou um rosé de marca. Um tinto suave, super frutado do Alentejo também é uma boa combinação para acompanhar a comida, apesar de ser um vinho seco.

  • 7
  • 7
  • 5

    Um vinho seco terá um sabor insípido se for servido com a sobremesa. Esta é a altura perfeita para um copo de vinho doce ou licoroso: o doce Moscatel de Setúbal ou mesmo o vinho do Porto ou da Madeira. Um Moscatel típico irá complementar na perfeição muitos dos sabores encontrados nas sobremesas, em especial amêndoas, chocolate, café ou nota cítrica. Experimente o LBV Porto com bolo de café ou mousse de chocolate. A casta Malvasia da Madeira combina com bolo de mel local, frutas tropicais e sobremesas à base de frutos secos ou chocolate de leite.

  • 8

    Os queijos têm muitas formas; os seus sabores variam muito. Muitos queijos distintos não combinam com determinados vinhos. Mas algumas combinações de vinho e queijo são divinais. E os melhores vinhos para queijos tanto podem ser brancos ou tintos, secos ou doces, Porto ou Madeira.